Estudos Bíblicos

Pelo Amor ou Pela Dor se Aprende o Temor do Senhor

Provérbios 1:7-9

O homeschooling (termo importado que quer dizer ‘ensino doméstico’) é uma modalidade de educação legalizada em pelo menos três continentes, sendo que em alguns países da Europa e no Brasil a prática é proibida por lei. Isso pelo fato de ser considerado crime privar a criança da escolaridade obrigatória. Contudo não podemos esquecer que antes do surgimento das escolas – como as conhecemos hoje e sua obrigatoriedade – era comum o ensino de disciplinas no lar ou comunidade. Isso caracteriza o modelo escolar atual como algo recente (início do século XX).

Nosso interesse, entretanto, não é tratar nem de sua jurisprudência nem da questão do ensino de disciplinas regulares no âmbito familiar, mas apontá-lo em parâmetros diferentes dos propostos pela sociedade. O intuito é apontar para o ensino ético, e principalmente o ensino da fé cristã segundo a Palavra de Deus, ou o temor do Senhor.

No Brasil, a coerção exercida pelo Estado relativo à educação básica (4 aos 17 anos) tem configurado uma sociedade de pais que delegam a outros a responsabilidade que é sua. Isto se espalha em todas as áreas do ensino, inclusive no contexto igreja. O resultado, para alguns, só pode ser visto a médio ou a longo prazo.

A problemática reside no fato de que os filhos aprendem de outros o que deveriam aprender fundamentalmente dos pais cristãos. Além da realidade de que nas igrejas nem sempre o ensino infantil é levado a sério na prática, que pode ser muito ruim para a criança que na verdade não aprende sobre os princípios da Escritura, existe a questão professores. Inegavelmente somos seres naturalmente hábeis ao aprendizado, seja ele como for. Se os pais são omissos eles estão ensinando alguma coisa aos filhos pelo exemplo ou pela falta dele, quer dentro de casa quer na rua ou em outros ambientes. Então, a pergunta a ser feita é: Como e o quê nossos filhos estão aprendendo?

Por isso no início afirmei que não se trata de meras disciplinas regulares, por que afinal abordamos disciplinas espirituais. É assim que vemos em Provérbios 1 quando observamos as parábolas no contexto familiar e os personagens: os pais (pai e mãe) e a maneira do trato direto e franco com o filho (“filho meu”). Aqui temos o ambiente mais adequado para a instrução no temor do Senhor.

O Temor do Senhor Pelo Amor

Não podemos esquecer que o temor do Senhor não é simplesmente uma lição, um sermão, uma tarefa, uma disciplina rígida e autoritária. Não, o que caracteriza o temor do Senhor é um princípio vital: “O temor do SENHOR é o princípio do saber, mas os loucos desprezam a sabedoria e o ensino. Filho meu, ouve o ensino de teu pai e não deixes a instrução de tua mãe” (1:7,8). Esse princípio é nada mais do que a fé em Deus que conduz e capacita o filho a discernir e a buscar a vontade de Deus por si mesmo. É o fundamento prático que o ensinará a lidar com as situações da vida de acordo com a vontade do Senhor: “O temor do SENHOR consiste em aborrecer o mal; a soberba, a arrogância, o mau caminho e a boca perversa, eu os aborreço” (8:13).

O Temor do Senhor Pela Dor

Interessantemente em Provérbios a sabedoria não é apresentada como um conceito, mas como uma personalidade (ver 1:20, 22ss; 8:1, 2 o seu discurso). Ela aparece em contraste com outras personagens já mencionadas, os pais e seu discurso é diferente daquele do ensino domiciliar. Ela se põe no contexto público: “na rua, na praça, de cima dos muros, à entrada das cidades, nas encruzilhadas e nas veredas”. E a sua linguagem e método de abordagem é rude para com aqueles que a desprezaram: “Grita”, “levanta a voz”, “ó néscios”, “ó escarnecedores”, “loucos”, “rirei da vossa desgraça”, “zombarei do vosso terror”.

Literalmente e na prática a parábola de provérbios ensina que fora contexto domiciliar a “escola da vida” não pega leve com os faltos de senso e de temor, isto é, os insensatos. Além de ser um risco muito alto negligenciar ou delegar a outros o ensino dos filhos, o preço é maior ainda quando as consequências vêm.

Dessa forma o ensino do temor do Senhor constitui-se mais como prevenção. O filho é prevenido pelos pais a “conservar” (5:1-2) o que recebeu. Sua finalidade, portanto, não é corretiva, mas preventiva. Por isso ele deve estar atento, pois ouvirá muitas vozes no mundo (os pais, a sabedoria, a adúltera). Ele terá sobre si a responsabilidade de discerni-las e escolher o caminho correto.

Podemos, então, listar a implicação base e algumas aplicações que a sabedoria proporciona ao filho que conhece ao Senhor, nele confia e obedece de coração.

A primeira e mais básica é que os pais são os responsáveis por ensinarem em casa seus filhos na Escritura a qual é inspirada por Deus e é útil para o ensino, para a repreensão, para a correção, para a educação na justiça (2 Tm. 3:16). Se realmente desejam que seus filhos sejam tementes a Deus, íntegros e hábeis na prática de boas obras esse é o fundamento.

Além disso Provérbios mesmo aponta os filhos sábios como aqueles que recebem honra e mérito por seu sábio e reconhecido bom proceder fora de casa: o ensino e a repreensão do pai e da mãe serão diadema de graça para a tua cabeça e colares, para o teu pescoço (1:9). Essencialmente onde quer que forem estão bem acompanhados e adornados com a sabedoria. Pode-se colocar essa aplicação no mesmo nível de Deuteronômio 4:6 que aponta a obediência aos mandamentos do Senhor como evidência de sabedoria e inteligência, e uma faceta do diálogo com os povos ao redor (ver 1 Rs. 4:34).

Esse princípio aplicado moldará um padrão moral para a sociedade que é impactada pelos valores de Deus sendo vividos por nós e por nossos filhos além de protegê-los de outros perigos e de más influências externas.

O ensino se torna algo vívido e, no coração da criança, ávido pela prática. O que está em jogo é a educação de maneira contínua, mesmo que informal. No lar temos uma infinidade de assuntos e temas a serem aprendidos à luz da Palavra além daqueles que ocorrem fora e depois são trazidos à mesa pelos pais.

Outro benefício aplicável é a sociabilidade do indivíduo em formação. Uma pessoa bem-educada formalmente nas disciplinas regulares ainda assim pode ter um caráter intratável e atitudes soberbas. Quando os pais inculcam a verdade da fé em Cristo no coração dos filhos eles estão acumulando em sua aljava flechas poderosas que atingirão os objetivos mais altos da vida conforme a vontade de Deus, e não conforme o sucesso dos homens. Isso, por si só poupará os pais de muitas vergonhas e os filhos de grande transgressão.

Há somente dois caminhos possíveis: o amor ou a dor. Espero que tenha ficado claro que Deus prefere que ensinemos e aprendamos pela maneira santa e agradável segundo o temor do Senhor. Sem dúvidas há boas promessas de Deus em Provérbios para os recém-chegados filhos da aliança, porém isso não exclui a responsabilidade e do trabalho árduo dos pais. Até mesmo quando se faz necessário o uso da “vara”, também isso é mais pelo amor do que pela dor.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s